Após ser afastada do cargo, deputada Flordelis sofre overdose de medicamentos e está internada

A deputada Flordelis dos Santos (PSD) sofreu uma overdose de medicamentos na noite de terça-feira, 23, e precisou ser internada com urgência em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), de acordo com informações publicadas na rede social da parlamentar, pela sua assessoria. Flordelis teria excedido no uso de medicação após a Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) decidir afastá-la do mandato, em decorrência da investigação que apura o assassinato de seu marido, o pastor Anderson do Carmo, ocorrido em junho de 2019.

Desde outubro de 2020, a deputada usa uma tornozeleira eletrônica. E seguia comparecendo a sessões na Câmara Federal, em Brasília. Ela não chegou a ser presa por ter imunidade parlamentar. Flordelis, os sete filhos e uma neta figuram como réus no processo.

“Nenhuma prova foi revelada contra ela (Flordelis) e na última audiência suas filhas além de assumirem a autoria do crime também negaram a participação ou ciência da deputada. Porém, a despeito dos fatos, convicções estão sentenciando o destino de uma mulher íntegra, honesta, de origem periférica e que tem sua história pautada na defesa da vida”, destacou a assessoria em trecho da nota divulgada.

Logo após defender a parlamentar, a assessoria informou que ela havia dado entrado em uma unidade médica por volta das 19h30min dessa terça e que permanecia na UTI, vítima de overdose. “A internação se deu pelo excesso de medicação tomada após a injusta decisão do pedido de seu afastamento do mandato de deputada federal”, destacou.

Não foi informado, contudo, o atual estado de saúde de Flordelis, apenas que há uma “expectativa” tanto de familiares como de amigos para que ela se recupere logo. Nos comentários, fãs e seguidores desejaram que a cantora tivesse uma boa recuperação e afirmaram que orariam por ela.

A decisão do afastamento da parlamentar foi tomada em unanimidade pelo TJ-RJ, por meio da 2ª Câmara Criminal. Determinação serve como garantia de que Flordelis não esteja exercendo sua função durante a primeira fase do processo de investigação sobre a morte do pastor- uma vez que ela é a principal acusada de ser a mentora do crime.

 

Fonte: O Povo

Mário Almeida


Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *


Atitude Empreendimentos



Nossas Redes Sociais


FALE CONOSCOCONTATO