Arquivos Politica - FM Atitude

Mário Almeida27 de julho de 2021
urna-eletronica-polemicas-eleicoes-750x563-1.jpg

4min1110

Eleitores de Pedra Branca, no Sertão Central, e de mais duas cidades cearenses, vão retornar às urnas no próximo domingo (1°) para a escolha do novo prefeito do município, após a Justiça Eleitoral invalidar o resultado das eleições em 2020.

Além de Pedra Branca, Martinópole e Missão Velha também vão decidir quem vai ocupar a cadeira do Executivo municipal. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 69.253 eleitores estão aptos a votar nas três cidades. A população voltará às urnas porque os prefeitos eleitos em 2020 tiveram as candidaturas barradas pela Justiça Eleitoral em modo definitivo. Todos recorreram até as últimas instâncias, mas não conseguiram reverter a decisão.

O clima político tem sido quente em Pedra Branca e deve esquentar ainda mais nesta última semana, que antecede a final da disputa pelo voto antes da decisão dos eleitores nas urnas. Os candidatos Matheus Góis e o Padre Antônio Menezes estão protagonizando momentos polêmicos.

Há cerca de duas semanas, de forma extra-oficial, uma arte trazendo a imagem de Matheus Góis ao lado do pai, Antônio Góis, circulou na internet. Góis, o pai, desistiu da candidatura após problemas com a Justiça e resolveu lançar o filho. Apoiadores se valeram do contexto político da história e criaram uma peça publicitária com a frase “Em nome do Pai estou com o filho”. O registro não faz parte das peças oficiais de campanha de Matheus.

Já há cerca de uma semana, conforme noticiado pelo Revista Central, As ruas de Pedra Branca foram palco de uma carreata protagonizada por apoiadores do candidato a prefeito padre Antônio Menezes. Uma barreira policial foi montada para impedir a passagem da carreata em apoio ao Padre, mas ainda assim não foi suficiente para impedir que os apoiadores continuassem com o movimento pelas ruas.

Já em Martinópole, o candidato pelo Progressista, James Bel, desistiu da candidatura por conta de sua candidatura ter sido indeferida pelo Tribunal Regional Eleitoral. No último final de semana o ex-candidato substituiu o seu nome pelo nome do candidato Betão que leva adiante a chapa de seu grupo na disputa suplementar naquele município. O outro candidato, Júnior Fontenele, segue com campanha neste pleito até à data da eleição (dia 1º/08).

No município de Missão Velha, no Cariri, disputam a eleição suplementar os candidatos: Dr. Lorim (PDT) e Fitinha (PT).

Fonte: Revista Central

Mário Almeida30 de junho de 2021
genas2.png

4min1990

O ex-vice-prefeito de General Sampaio, Washington da Silva Marinheiro, e o ex-motorista dele, Francisco Eudes Magalhães Oliveira, foram presos temporariamente em operação deflagrada pelo Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), com apoio da Polícia Civil. O político e empresário também teve os bens bloqueados no valor de R$ 1.035.605,00. A operação segue em andamento nesta quarta-feira (30/06) e as medidas foram determinadas pelo juiz de Direito e titular da Vara Única de Pentecoste, Wallton Pereira de Souza Paiva, após pedidos cautelares requeridos pelo promotor de Justiça Jairo Pequeno Neto, titular da comarca de Pentecoste e vinculadas de Apuiarés e General Sampaio.

A operação do Ministério Público investiga corrupção ocorrida na época do mandato de Washington da Silva Marinheiro, entre os anos de 2013 e 2016. Durante o procedimento investigatório criminal, o MPCE conseguiu a quebra do sigilo bancário das contas dos investigados e, analisando os registros de movimentações, constatou que Francisco Eudes foi usado como “laranja” por Washington Marinheiro, em um esquema de desvio de dinheiro público promovido pelo então vice-prefeito, envolvendo empresas que prestavam serviços públicos, as quais pagavam vantagem indevida em forma de porcentagem sobre os valores auferidos com contratos públicos celebrados com o Município de General Sampaio.

A investigação apurou que Washington Marinheiro havia solicitado a Francisco Eudes as informações pessoais dele com a finalidade de abrir uma conta bancária para transferências mensais. O ex-vice-prefeito tinha a posse do cartão magnético do motorista e era ele quem movimentava a conta. Francisco Eudes, embora ganhasse R$ 678,00 mensais como motorista, recebeu, entre fevereiro de 2013 e março de 2014, transferências que totalizam R$ 1.035.605,00. O dinheiro desviado era depositado na conta corrente do funcionário e depois movimentado pelo político, com o propósito de não levantar suspeitas quanto à origem dos valores.

“Sem qualquer justificativa, diversas empresas que celebraram contratações com o Município de General Sampaio, das áreas de limpeza pública, construções e transporte escolar, realizavam diretamente, ou por meio dos respectivos empresários, transferências vultosas para a conta do investigado Francisco Eudes Magalhães Oliveira. O valor repassado nada mais era que vantagem ilícita cobrada por Washington da Silva Marinheiro”, aponta o promotor de Justiça Jairo Pequeno Neto.

A investigação constatou, ainda, que o patrimônio de Washington da Silva Marinheiro cresceu de forma exacerbada, totalmente incompatível com o que ele recebia enquanto vice-prefeito, tendo o investigado passado a ser sócio e proprietário de algumas empresas.

Na decisão, a Justiça decretou, ainda, o arresto do supermercado em nome do investigado, localizado em General Sampaio, com o bloqueio de 10% do faturamento bruto da empresa – até o limite de R$ 1.035.605,00.

Conforme o promotor Jairo Pequeno Neto, que coordenou a operação, as investigações seguem em curso para identificar outras pessoas que participaram do esquema criminoso de corrupção.

Fonte: MPCE


Mário Almeida26 de junho de 2021
luis-ir.jpg

4min1170

O deputado Luis Miranda (DEM-DF) apresentou nesta sexta-feira (25) um PowerPoint para acompanhar seu depoimento à CPI da Covid. Na apresentação, o parlamentar mostrou trechos de conversas que teve por aplicativo e documentos relativos às negociações da vacina Covaxin.

Além do parlamentar, participou o irmão dele, Luis Ricardo Miranda, chefe de importação do Departamento de Logística em Saúde do Ministério da Saúde.

No depoimento, Luis Ricardo disse que informou ao presidente Jair Bolsonaro os nomes de três pessoas que o pressionaram a liberar a importação da vacina Covaxin.

A abertura da apresentação mostra uma foto do deputado Luis Miranda com seu irmão, Luis Ricardo, e a frase bíblica “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”.

A frase é bastante utilizada pelo presidente Jair Bolsonaro desde sua campanha eleitoral em 2018 — inclusive, aparecia no programa de governo apresentado pelo então candidato.

Miranda fazia parte da base aliada do presidente. Após as revelações desta semana, o Planalto disse que abriria investigações contra o servidor da Saúde que levou adiante os documentos das negociações da Covaxin.

O parlamentar mostrou slides em ordem cronológica com os documentos relativos às negociações com a Bharat Biotech, fabricante da Covaxin.

A vacina, produzida na Índia, é a mais cara negociada pelo governo até agora, e as negociações são alvos de investigações da CPI e do Ministério Público.

Esses slides mostram ofícios enviados à empresa Precisa Medicamentos sobre o contrato firmado com o Ministério da Saúde para compra da vacina, invoices — ou seja, faturas das negociações — e outros documentos.

Fonte: G1.com


Mário Almeida22 de junho de 2021
munilcoes.jpg

3min1300

Durante as últimas horas a Polícia Militar com a execução de uma operação policial em Uruburetama desde o último domingo (20), conseguiu apreender um vasto material: munições, 2 armas de fogo, 2 motocicletas e além disto descobriu um esconderijo no meio da mata que servia como alojamento de suspeitos com o envolvimento à onda de violência que gerou tensão e pavor na população daquela cidade com os últimos acontecimentos: homicídio, disparos de arma de fogo em via pública e a disputa por território.

Em entrevista à Rádio Atitude FM, o Tenente Alves, comandante da 1ª Companhia da Polícia Militar, citou que as apreensões destes materiais e resultados satisfatórios se dão pelo trabalho ágil das forças de Segurança, como: RAIO, POG, Força Tática e Polícia Civil, presentes em Uruburetama como reforço à composição policial do Destacamento local.

O setor de Inteligência do 11º Batalhão de Polícia Militar tem colaborado com atuação brilhante em conjunto com todo o aparato policial em operação.

Com a informação da possível localização e paradeiro de suspeitos de estarem à frente das ações criminosas no município, Tenente Alves destacou que mais reforço deve chegar em Uruburetama, como, Comando Tático Rural – COTAR, e o auxílio de uma aeronave da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas – CIOPAER, para sobrevoar uma região de mata entre o distrito de Santa Luzia e a cidade, onde foi estourado um esconderijo e por aquelas adjacências podem estar os fugitivos da Polícia.

Tenente Alves afirma que a população pode colaborar com o trabalho da Polícia Militar repassando informações verídicas que ajudem a localizar suspeitos de envolvimento com a criminalidade em Uruburetama.

Fonte: Relações Públicas do 11º BPM


Mário Almeida19 de junho de 2021
mani.png

1min680

Na manhã deste sábado (19) movimentos políticos e sociais se reuniram em um protesto que percorreu bairros e o centro da cidade de Itapipoca em manifestação contra a ausência de iniciativas e atitudes mais plausíveis do governo do presidente Bolsonaro em enfrentamento á pandemia.

Os manifestantes repudiavam a recusa do governo federal de ter adquirido vacinas desde o ano de 2020 e atribuíam ainda que isto gerou a morte de milhares de brasileiros que foram infectados pela COVID e foram a óbitos enquanto estavam em tratamento.

O ato protestou ainda contra o aumento abusivo do gás de cozinha, combustíveis e a cesta básica.

A manifestação culminou na Praça dos Motoristas.

 


Mário Almeida18 de junho de 2021
novalogompce.jpg

3min1340

O juiz eleitoral da 50ª Zona, Wallton Pereira de Souza Paiva, julgou procedente duas Ações de Investigação Judicial Eleitoral (AIJEs) manejadas pelo Ministério Público Eleitoral (MPE), representado pelo promotor de Justiça Jairo Pequeno Neto, e cassou, por captação ilícita de sufrágio e abuso de poder econômico, o diploma de José Daniel de Castro Almeida e Francisco Vaumir Gonçalves, eleitos vereadores em 2020 no Município de Pentecoste.

O promotor eleitoral Jairo Pequeno Neto, autor das Ações, afirmou que o pastor evangélico Vaumir Gonçalves, valendo-se da posição de coordenador do Projeto Pró-Futuro, distribuiu cestas básicas e prometeu vantagens às famílias carentes assistidas pela Organização Não Governamental, em troca de votos e de sua promoção pessoal.

Dias antes das eleições, o MP apreendeu cerca de cinco toneladas de alimentos que estavam sendo armazenados pelo então candidato a vereador, no prédio da organização, para distribuição a famílias cadastradas no projeto, como forma implícita de compra de votos. Na época, a Justiça Eleitoral acatou requisição do Ministério Público e distribuiu os alimentos para pessoas em situação de vulnerabilidade assistidas por programas sociais no município.

Conforme o MPE, o líder religioso utilizava, inclusive, a imagem de crianças assistidas pela entidade filantrópica, nos vídeos divulgados como propaganda política, e pedia votos aos responsáveis pelos menores, prometendo-lhes casas populares e a ampliação do projeto social.

Em relação ao vereador eleito Daniel Castro, ex-secretário de Agricultura e Pesca de Pentecoste, restou comprovado na representação que ele utilizou recursos próprios e financiou serviços de perfuração de poços profundos na zona rural do município, em troca de votos e do apoio de famílias beneficiadas com as obras.

Diante do vasto material probatório juntado nas representações pelo MPE, a Justiça Eleitoral determinou a cassação dos diplomas dos dois vereadores, aplicou multa a cada um deles no patamar de 27 mil Unidades Fiscais de Referência do Ceará (UFIRCE) – equivalente a R$ 126.449,91 – e tornou-os inelegíveis por oito anos, invalidando, ainda, os votos recebidos por eles.

 

Fonte: MPCE


Mário Almeida17 de junho de 2021
witzel.png

6min1120

No mais curto depoimento (três horas e 20 minutos) desde o início do funcionamento da CPI da Covid, o ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel afirmou nesta quarta-feira (16) aos senadores da comissão parlamentar de inquérito que houve “sabotagem” e “perseguição” por parte do governo federal contra os gestores estaduais durante a pandemia.

Ele também fez críticas ao governo e ao presidente Jair Bolsonaro em relação à montagem de hospitais de campanha, à abertura de leitos, à entrega de equipamentos, como ventiladores pulmonares, à demora para adoção do auxílio emergencial.

Wilson Witzel foi confrontado pelo senador Flavio Bolsonaro (Patriota-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, que não é integrante da CPI. O senador contestou as acusações de Witzel ao governo e atacou o ex-governador, acusando-o de ser responsável por mortes, de mentir à comissão e de usar a CPI como “palanque político”.

O depoimento foi encurtado pelo próprio Witzel. Protegido por um habeas corpus obtido no Supremo Tribunal Federal (STF), ele podia falar o que quisesse e por quanto tempo quisesse. O ministro Nunes Marques concedeu o HC porque Witzel é investigado por fatos em análise na CPI e não pode ser eventualmente obrigado a produzir provas contra si mesmo.

No início da tarde, sob o argumento de que a audiência estava descambando para ofensas, Witzel resolveu parar de falar, embora ainda houvesse uma lista de senadores inscritos para perguntar. “Ele acabou de me comunicar que quer se retirar da sessão, e a gente não pode fazer absolutamente nada”, disse o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM).

O ex-governador, porém, disse ter informações “graves” e prometeu voltar à CPI, caso seja feita uma reunião reservada. O requerimento de convocação dessa reunião deve ser votado na próxima sexta-feira (18).

Bate-boca

Durante a audiência, Witzel e o senador Flavio Bolsonaro (Patriota-RJ), trocaram farpas e acusações.

Os dois eram aliados durante a eleição de 2018 – Flavio Bolsonaro participou da campanha do então candidato ao governo fluminense. Ao longo do mandato, porém, houve um rompimento entre os políticos.

Flavio Bolsonaro disse que fazia “questão de desmascarar” Witzel e questionou fala do ex-governador de que é “perseguido”. Mencionou acusações contra Witzel, disse que o ex-governador estava mentindo, que usava a CPI como “palanque político” e que “tem a mão suja de sangue entre esses quase 500 mil mortos”.

“Esse, sim, é o culpado. E vem aqui e cria um monte de narrativa mentirosa. E eu faço questão de desmascarar porque ele foi eleito mentindo, enganando a população do Rio de Janeiro, e se revelou depois que sentou naquela cadeira de governador”, declarou ao senador.

 

Em meio ao bate-boca, senadores afirmaram que Witzel estava sendo intimidado pelo filho do presidente da República.

Fonte: G1.com

Mário Almeida11 de junho de 2021
coreau.png

3min950
A Justiça Eleitoral, através do Juiz Guido Freitas Bezerra, da 64ª Zona Eleitoral sediada em Coreaú, região noroeste do Estado,  decidiu por cassar os mandatos de Edézio Sitônio e  Erika Frota Cristino, ´prefeito e vice-prefeita do município citado, os dois pertencentes ao PDT. Além disso, ambos estão inelegíveis pelo período de oito anos, conforme a decisão do magistrado. Os dois foram condenados por abuso de poder econômico durante a campanha eleitoral de 2020.
“Reconheço o cometimento de abuso de poder econômico, razão pela qual, imponho-lhes a sanção de inelegibilidade para as eleições a se realizarem nos 8 (oito) anos subsequentes à eleição em que se verificou a conduta ilícita, além da cassação dos seus diplomas e a invalidação dos votos percebidos na eleição 2020”, diz um trecho da decisão. Além do prefeito e da vice-prefeita, o Juiz também cassou o mandato e os direitos políticos da primeira-dama, Humberlândia, e do vereador Chico Antônio (PDT) que, além de parlamentar, é professor de Direito Eleitoral na Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), em Sobral, e irmão do deputado Federal, Leônidas Cristino (PDT).
Segundo o parecer do Juiz, o prefeito, a vice, a primeira-dama e o vereador realizaram compra de votos durante a eleição de 2020. Os valores das transações, as datas e horários foram revelados em conversas de WhatsApp”, destaca a decisão.
“O caso, contudo, nos revela que foram inúmeros os eleitores corrompidos. Os diálogos revelam que os votos foram comprados no atacado (negociação de votos de unidades familiares), o que ocorreu durante toda a campanha eleitoral. Assim, forçoso reconhecer que há gravidade concreta apta ao reconhecimento do abuso”, afirmou o juiz em um outro trecho do documento.
O prefeito, vice-prefeita, vereador e primeira-dama de Coreaú, têm direito de recorrer da decisão e permanecem no cargo até à análise e parecer a ser expedido pelo Tribunal Regional Eleitoral – TRE do Ceará.
Fonte: Sobral Online

Mário Almeida8 de junho de 2021
Plantao-Policial-768x512-1.png

1min1070

Na manhã desta terça-feira (08) sete pessoas procuraram a Delegacia municipal de Irauçuba após serem enganadas e vítimas de um crime conhecido como ‘saidinha bancária’, quando uma pessoa em fila de agências bancárias se propõe a ser “bomzinho” e ajudar em operações em serviços de autoatendimento.

O criminoso que fugiu após enganar as vítimas, conseguiu aplicar o golpe em sete pessoas que caíram “na lábia” do bandido e aceitaram a falsa generosidade do indivíduo. Após fazer movimentações nas contas bancárias das vítimas e a suspeita de contrair empréstimos, o criminoso se evadiu do local.

Na Delegacia da cidade as vítimas fizeram um boletim de ocorrência após sofrerem o golpe aplicado pelo bandido que se passava de ajudante.

A Polícia Militar ainda realizou diligências na região do centro e bairros de Irauçuba, mas o bandido não foi localizado.


Mário Almeida4 de junho de 2021
Posse-da-nova-Diretoria-do-TRE-CE.jpg

2min1330

O Tribunal Regional eleitoral (TRE-CE) marcou eleições suplementares nos municípios de Martinópole, Missão Velha e Pedra Branca para o dia 1º de agosto deste ano, mas a Justiça Eleitoral ainda avalia as condições sanitárias e alerta que todas as medidas precisam ser cumpridas por candidatos e eleitores. Caso contrário, a Corte pode adiar novamente o pleito suplementar.

As palavras são do novo presidente da Corte, desembargador Inácio de Alencar Cortez Neto. Ele assumiu a presidência do Tribunal na manhã desta sexta-feira (4) e ficará responsável não só pelas eleições suplementares, mas pelo pleito geral de 2022, em que haverá escolha de presidente da república, governadores, deputados estaduais e federais e senadores.

Nos três municípios apontados já houve decisão judicial definitiva que impediu os prefeitos eleitos no pleito de 2020 de assumirem os cargos. Os municípios, temporariamente, são comandados pelos respectivos presidentes das câmaras municipais.

Inácio Cortez destaca as prioridades do mandato que é dotar a Justiça Eleitoral de melhor estrutura no Interior do Estado e preparar a corte para o pleito do ano que vem, cujo conjunto normativo ainda traz dúvidas, por conta das discussões no Congresso Nacional. Ele garante, entretanto, que a Justiça está preparada para o desafio.

O desembargador destacou a decisão recente do TRE de cassar uma chapa completa de candidatos a vereador por conta de fraude na quota de gênero reforça a atenção do Tribunal para esse tipo de caso.

Cortez comentou ainda a possibilidade de aprovação do voto impresso e destacou que atualmente o sistema de voto eletrônico é “auditável e seguro”.

 

Fonte: Diário do Nordeste



Atitude Empreendimentos



Nossas Redes Sociais


FALE CONOSCOCONTATO