Arquivos Saúde - FM Atitude

Wesley Martins26 de janeiro de 2021
profissional-da-saude-e-imunizada-com-a-coronavac-em-sao-paulo.png

1min150

Profissionais da Saúde de Fortaleza precisarão comprovar que estão ativos, previamente cadastrados e trabalham em contato direto com pacientes para se vacinar no Centro de Eventos do Ceará nesta terça-feira, 26. A partir de quarta-feira, 27, até domingo, 31, serão vacinados, por sua vez, trabalhadores da saúde ativos atuantes em hospitais.

Para fins comprobatórios nos dois casos, é necessária a apresentação de documento original com foto, além de um comprovante profissional, a exemplo de contracheques, carteiras de trabalho e declarações do equipamento de saúde em que atua.

FONTE: O Povo


Wesley Martins26 de janeiro de 2021
coronavirus-4833754__340.png

2min140

O governo chinês afirmou, nesta terça-feira (26/1), que a fórmula do imunizante contra o coronavírus Coronavac, que está sendo produzido no Brasil pelo Instituto Butantan, pode ser atualizada em dois meses para abranger as novas cepas do Sars-CoV-2. Shao Yiming, especialista do Centro Chinês para Controle e Prevenção de Doenças, afirmou que a reformulação da Coronavac pode demorar mais do que a atualização de vacinas que utilizam a tecnologia de RNA mensageiro (mRNA), como é o caso dos imunizantes Pfizer/BioNTech e Moderna.

Isso porque a vacina chinesa se baseia no método de vírus inativado, ou seja, contém pedaços do coronavírus que não conseguem se reproduzir no corpo humano e, portanto, não provocam a Covid-19. Imunizadores desse tipo requerem o cultivo e a inativação do vírus, o que exige mais tempo de produção.

Yiming afirmou, ainda, que a vacina chinesa foi desenvolvida com base na variante do Sars-CoV-2 identificada na cidade de Wuhan no final de 2019. Por isso, há o temor de que a capacidade de neutralização dos anticorpos induzidos pela Coronavac não seja suficiente para conter as novas cepas descobertas no Reino Unido e na África do Sul.

FONTE: Metrópoles


Wesley Martins26 de janeiro de 2021
Governadores-pressionam-por-reuni-o-para-definir-cronograma-nacional-de-vacinac-o.jpg

1min180

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou nesta terça-feira (26) que os insumos para produção da Coronavac no laboratório brasileiro devem chegar ao país no dia 3 de fevereiro. Nesta segunda (25), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, havia dito que a previsão era até o final dessa semana. De acordo com o Instituto Butantan, os 5.400 litros de insumo são suficientes para produzir 8,5 milhões de doses da Coronavac.

O diretor disse ainda que o restante dos insumos devem ser importados até abril, o suficiente para produzir as 40 milhões de doses que foram contratadas até o momento. Dimas informou ainda que, assim que os insumos chegarem, levará cerca de 20 dias para que as novas doses sejam produzidas e comecem a ser distribuídas. Ele ressaltou que o atraso na importação é devido ao “processamento burocrático dos documentos”, posição ressaltada pelo embaixador da China em Brasília, Yang Wanming, que também participou do evento.

FONTE: CNN Brasil


Wesley Martins26 de janeiro de 2021
Vacina-1.jpg

1min140

Juntos, os três lotes de vacinas contra Covid-19 já recebidos pelo Ceará viabilizam uma cobertura vacinal de apenas 33,6% das 619,6 mil pessoas enquadradas na primeira etapa da imunização. Em uma semana, o Estado recebeu 334,9 mil doses, incluindo o estoque de segurança. Destas, as 208,5 mil a serem aplicadas nesta população prioritária já chegaram a todas as 22 Áreas Descentralizadas de Saúde (ADSs).

As informações são de balanço divulgado nesta segunda-feira (25) pela Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa). A quantidade distribuída é inferior à recebida em razão do percentual de 5% que deve ser destinado à reserva técnica, conforme determinação do Ministério da Saúde.

FONTE: Diário do Nordeste


Wesley Martins26 de janeiro de 2021
240_F_391640564_4S7C2il1corv59wRxdgnmwEpxRgLhgSb.jpg

1min50

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta segunda-feira (25) que o governo foi informado por autoridades chinesas de que insumos para a fabricação da Coronavac devem chegar ao Brasil nos “próximos dias”.

“A Embaixada da China nos informou, pela manhã, que a exportação dos 5,4 mil litros de insumos para a vacina Coronavac foi aprovada e já estão em área aeroportuária para pronto envio ao Brasil, chegando nos próximos dias”, escreveu o presidente no Facebook.

FONTE: O Otimista


Wesley Martins25 de janeiro de 2021
confind-disenovi.jpg

1min230

O Ceará chegou à marca de 363.967 pessoas com Covid-19, de acordo com dados da plataforma IntegraSUS, atualizada pela Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) às 17h03 deste domingo (24). Do total de registros, 282.279 pacientes se recuperaram da doença. Outros 10.332, contudo, não resistiram à enfermidade.

A ocupação dos leitos das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) do Ceará chegou a 81,32% na atualização deste domingo. Já nas enfermarias, 49,31% dos leitos seguem ocupados.

FONTE: Diário do Nordeste


Mário Almeida25 de janeiro de 2021
doses-novas.jpg

2min1470

O Ceará recebeu na tarde desta segunda-feira (25) mais 33.200 doses da vacina de Oxford/AstraZeneca contra a Covid-19. A carga foi transportada em um voo da Latam vindo de Guarulhos.

Este é o terceiro lote de imunizante que está à disposição para aplicação no estado. Os lotes chegaram nas seguintes datas:

  • 18 de janeiro: 229 doses da CoronaVac
  • 23 de janeiro: 72.500 doses da Oxford/AstraZeneca
  • 25 de janeiro: 33.200 doses da Oxford/AstraZeneca

 

Ambas precisam de duas aplicações em cada pessoa para garantir a imunização.

As vacinas já são aplicadas em todo o estado para profissionais da saúde e idosos com 75 anos ou mais, por meio do site Vacine Já e pelo aplicativo Mais Saúde Fortaleza, que permitem o agendamento para aplicação da dose na capital cearense.

Fonte: G1/CE


Mário Almeida23 de janeiro de 2021
vacinaa.jpg

4min2050

O Ministério da Saúde atualizou o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19. Com data de 20 de janeiro, o novo documento traz o número previsto de pessoas nos grupos prioritários: 77,2 milhões. A primeira versão detalhava as três primeiras fases da vacinação e a previsão era de vacinar 49,6 milhões de pessoas.

Entretanto, nesta segunda versão o plano, o governo detalha apenas como será a primeira etapa de vacinação:

  • Serão 2,8 milhões de pessoas que receberão duas doses da CoronaVac (6 milhões de doses disponíveis). Estão neste grupo: trabalhadores da saúde na linha de frente contra a Covid-19; pessoas idosas (mais de 60 anos) residentes em instituições de longa permanência (institucionalizadas); pessoas a partir de 18 anos de idade com deficiência em Residências Inclusivas (institucionalizadas); população indígena vivendo em terras indígenas.
  • Depois, preferencialmente, de acordo com a disponibilidade da vacina, novos grupos serão incluídos: equipes de vacinação que estiverem envolvidas na etapa das primeiras 6 milhões de doses; trabalhadores das Instituições de Longa Permanência de Idosos e de Residências Inclusivas (Serviço de Acolhimento Institucional em Residência Inclusiva para jovens e adultos com deficiência); trabalhadores dos serviços de saúde públicos e privados, tanto da urgência quanto da atenção básica, envolvidos diretamente na atenção/referência para os casos suspeitos e confirmados da Covid-19; outros trabalhadores de saúde.

Nesta atual versão do plano, o ministério detalha apenas a primeira etapa de vacinação. No documento anterior, o governo apresentava 3 fases e quais os grupos previstos em cada.

Na fase 2, estavam os idosos com mais de 60 anos – mesmo os que não estão em instituições de longa permanência.

Na fase 3, seriam as pessoas comorbidades, como diabetes, obesidade e doenças cardíacas.

Agora, esses e outros grupos continuam contemplados em uma futura etapa da vacinação, mas o escalonamento “para vacinação se dará conforme a disponibilidade das doses de vacina, após liberação pela Anvisa”.

 

 

Mais grupos incluídos

 

Nessa atualização, o plano adicionou os trabalhadores industriais e trabalhadores portuários. Também detalhou o que chamava apenas de “trabalhadores do transporte coletivo” e “transportadores rodoviários de carga”. 

 

Fonte: Ceará Agora


Mário Almeida22 de janeiro de 2021
caminhao-refrig.jpg

4min1430

O governador do Ceará, Camilo Santana, afirmou nesta sexta-feira (22) que o estado vai receber parte das doses de vacinas contra a Covid-19 que o Brasil adquiriu da Índia. O avião que transporta o produto chega nesta sexta ao Brasil, mas não há uma data definida de quando a vacina será distribuída para os estados.

Camilo diz que o Ceará receberá o lote “nos próximos dias”. Conforme o governador, a confirmação foi feita após conversa com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade.

“Farei todo o esforço necessário para agilizar essa imunização dos cearenses. Enquanto a vacina não chega para todos, devemos continuar tomando os cuidados para evitar a contaminação”, disse Camilo Santana.

O Ceará já recebeu cerca de 220 mil doses da Coronavac, que já são aplicadas em todas as cidades do estado. A Coronavac foi desenvolvida na China e produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, em São Paulo.

O lote que vem da Índia é de um imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, em parceria com a farmacêutica AstraZeneca. No Brasil, a Fiocruz também fabrica o produto.

As duas vacinas têm eficácia comprovada e são aplicadas em diversos países de forma emergencial. Ambas foram autorizadas pela Anvisa para aplicação emergencial no Brasil.

As vacinas já disponíveis de Coronavac no Ceará são insuficientes para imunizar os grupos prioritários da campanha, formados por:

  • Trabalhadores da saúde: 182.907 pessoas
  • Idosos que vivem em asilos: 163.691

Fonte: G1/CE


Wesley Martins22 de janeiro de 2021
istockphoto-1215179393-170667a.jpg

1min220

A taxa de ocupação de leitos de terapia intensiva (UTI) destinados a pacientes com suspeita ou confirmação de Covid-19 saiu de 63,52%, em 21 de dezembro de 2020, para 71,56% nesta quinta-feira (21), segundo dados do IntegraSUS até 15h02. O aumento acontece praticamente um mês após o início da temporada de festas de fim de ano, mesmo que, à época, o Governo tenha tentado impor medidas para evitar a propagação da doença.

FONTE: Diário do Nordeste



Atitude Empreendimentos



Nossas Redes Sociais


FALE CONOSCOCONTATO