Domingo, 28 de Novembro de 2021
(85) 99236-2812
Babados da Atitude Famosos

Família Marinho reassume presidência do Grupo Globo

Anúncio marca a fase de transformações da empresa e também retoma o tradicionalismo com a família Marinho; as mudanças acontecerão em 2022

15/10/2021 08h05 Atualizada há 1 mês
53
Por: Carol Vieira Fonte: Metrópoles
Família Marinho reassume presidência do Grupo Globo

A partir de 1º de fevereiro de 2022 a presidência do grupo Globo será ocupada por João Roberto Marinho, Presidente do Conselho de Administração do Grupo Globo ao lado de Paulo Marinho, que assumirá o comando da Globo. Os dois líderes irão substituir Jorge Nóbrega, até então presidente executivo do grupo Globo e da Globo desde 2017. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (14/10), por meio de uma live interna.

A mudança marca a retomada do controle do grupo pela família Marinho, visto que Jorge Nóbrega foi o primeiro presidente a não fazer parte do clã.

 Duas gerações da família Marinho ocupando postos chave na hierarquia do grupo, que chega ao centenário em 2025. A pedra fundamental do império das comunicações foi a fundação do jornal O Globo, em 1925, por Irineu Marinho – avô de João Roberto e bisavô de Paulo.

Os Marinho retomam o comando do grupo depois das mudanças profundas provocadas pela administração de Jorge Nóbrega. Responsável pela implementação do projeto Uma Só Globo, Nóbrega fortaleceu a marca da emissora, deu passos importantes para torná-la uma media tech e impôs à cultura de todo o grupo uma sinergia jamais experimentada. Antes mastodôntica, a Globo pareceu encolher para ter mais agilidade e, assim, se adaptar de forma mais rápida às inúmeras mudanças no mercado da comunicação.

Como nem tudo são flores, na gestão que chega ao fim no início do próximo ano a Globo demitiu como nunca. Desfez-se de astros e estrelas de primeira grandeza, fez cortes importantes em várias áreas, reduziu salários e custos operacionais. Apesar da economia provocada pelas medidas, no entanto, o grupo foi impactado pela pandemia e viu as receitas encolherem bastante no biênio 2020-2021. Sinal dos tempos.

Leitores mais pessimistas podem concluir, então, que a empresa está mal das pernas. Será o fim da Globo? A derrocada do império? Lamento contrariar os críticos da líder de audiência, mas nada sinaliza para este desfecho dramático. A Globo segue líder, dona dos títulos mais assistidos na TV aberta, responsável por alguns dos canais mais vistos no sistema fechado e, a despeito das concorrentes, investiu pesado no futuro, via Globoplay. Com o serviço de streaming, o grupo comandado pela família Marinho é o único do país que tem disputado, em pé de igualdade, a atenção dos espectadores com gigantes estrangeiros como Netflix, Amazon Prime Video, HBO Max, Disney e Apple TV. E tem se saído bem no embate: em 2020, a plataforma brasileira registrou aumento de 145% na base de assinantes. O número de horas consumidas pelos assinantes no ano passado disparou 224%.

Mas leve e digital do que nunca, a Globo mira no futuro e repete um movimento feito pelos grandes estúdios de Hollywood no fim da Era de Ouro do cinema. Na época, atores e atrizes eram exclusivos das grandes grifes cinematográficas. Warner Bros, MGM 20th Century Fox e semelhantes só faziam filmes com seus respectivos contratados. No fim dos anos 1950, porém, os grandes estúdios reviram a política de contratos de exclusividade e chegaram à conclusão de que era muito mais barato contratar artistas por obra.

Sete décadas depois, os grandes estúdios citados seguem ativos. Alguns mudaram de mãos, é verdade, mas continuam a encantar o mundo com suas produções.

A Globo faz o mesmo. Se prepara para seguir. Mais leve e focada no digital. Com uma diferença: o quase centenário grupo brasileiro segue sob o domínio da família que o fundou.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias