Domingo, 28 de Novembro de 2021
(85) 99236-2812
Nacionais Exterior

Brasileiro é sequestrado e morto com outras 2 pessoas no Paraguai

Agricultor e funcionários de colônia menonita foram encontrados mortos no centro do país.

24/11/2021 17h50
122
Por: Mário Almeida Fonte: G1.com
Brasileiro é sequestrado e morto com outras 2 pessoas no Paraguai

Um proprietário de terra e dois trabalhadores, um deles de nacionalidade brasileira, foram sequestrados e assassinados em uma região agrícola no centro do Paraguai, a cerca de 200 quilômetros da capital Assunção, informou a polícia paraguaia nesta terça-feira (23).

O agricultor Helmut Ediger, de 74 anos e de origem alemã, e seus funcionários, o brasileiro Odair dos Santos e o paraguaio Rolando González, foram encontrados mortos na colônia menonita — uma corrente do cristianismo — de Friesland, situada nas imediações de Itacurubí del Rosario, a cerca de 200 quilômetros da fronteira com o Brasil, diz o boletim de ocorrência policial ao qual a AFP teve acesso.

As vítimas tinham sido sequestradas ontem por um grupo criminoso que ainda não foi identificado pelas autoridades.

"A informação preliminar que temos é que houve pagamento de resgate", disse aos jornalistas a promotora responsável pelo caso, María Irene Álvarez, que estimou um pagamento de US$ 300 mil, conforme a versão do filho de Ediger.

Além disso, um terceiro trabalhador, de 18 anos, conseguiu fugir dos sequestradores, segundo a versão policial.

Ediger era menonita, um movimento cristão que constitui uma importante força econômica do Paraguai. Cerca de 40 mil menonitas se estabeleceram em diversos assentamentos no país sul-americano desde 1927.

 

Violência no Paraguai

 

As forças de segurança do Paraguai costumam apontar o pequeno grupo guerrilheiro Exército do Povo Paraguaio (EPP) como responsável por assassinatos, sequestros e ataques que aconteceram nesta região nos últimos anos.

No entanto, o subcomandante de polícia, o comissário Gilberto Fleitas, descartou a atuação do grupo citado no crime ocorrido em Itacurubí del Rosario.

 

"Esta não é a zona do EPP", afirmou Fleitas, que prometeu identificar e localizar os responsáveis.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias