Justiça acata pedido de Paulo Ricardo e decreta fim da banda RPM

A Justiça de São Paulo proibiu o guitarrista Fernando Deluqui de usar a marca RPM e encerrou a banda

06/06/2024 às 10h54
Por: Carol Vieira Fonte: Metrópoles
Compartilhe:
Justiça acata pedido de Paulo Ricardo e decreta fim da banda RPM

Paulo Ricardo conseguiu, na Justiça de São Paulo, que o guitarrista Fernando Deluqui, seu ex-parceiro, fosse proibido de utilizar a marca RPM. O músico tem feito shows ao redor do Brasil, com banda de mesmo nome, com três novos parceiros, Dioy Pallone e Kiko Zara e Gus Martins.

A informação é do colunista do UOL Rogério Gentile. O cantor entrou com uma ação alegando que este novo grupo é uma “banda cover” e que não deve ser vinculado ao grupo de rock que fez muito sucesso nos anos 1980. “Muitos fãs e consumidores acabam por ser enganados. Acreditam adquirir ingressos e produtos do RPM quando em verdade é de outra banda”, declarou Ricardo.

Continua após a publicidade

Ainda na ação, Paulo Ricardo explicou que busca proteger a memória e o legado do RPM, “que faz parte da história de tantas pessoas”. Ele recebeu decisão favorável da juíza Luciana Alves de Oliveira.

Continua após a publicidade

A magistrada proibiu o uso do nome RPM por Deluqui e sua nova banda, e afirmou que o grupo está “absolutamente desfigurado e que isso implica em clara desvalorização da marca”. Ela ainda declarou que o guitarrista precisaria de uma autorização de Paulo Ricardo e dos herdeiros dos músicos Paulo Pagni (2019) e de Luiz Schiavon (2023) para utilizar a marca.

“Não se pode admitir que, na qualidade de cotitular da marca, [Fernando Deluqui] opte por juntar-se a terceiros para pretensa conservação da banda, que já não guarda nenhuma identidade com sua formação original”, diz a sentença.

Continua após a publicidade

Fernando Deluqui recorre da decisão

Em sua defesa, o guitarrista alegou que Paulo Ricardo foi excluído da banda após descumprir o contrato, após idas e vindas ao RPM, e que conta com um documento assinado por outros integrantes, em 2011, que “assegura a continuidade da banda mesmo com a saída, voluntária ou não, substituição ou exclusão de qualquer dos seus integrantes”.

“A bem da verdade Paulo Ricardo, desde a fundação da banda, sempre teve como foco principal o individualismo e sua carreira solo e nunca teve o mesmo espírito de grupo que os demais integrantes”, declarou.

Deluqui ainda contou que o RPM nunca enganou o seu público e que sempre deixou claro quem são os novos integrantes da banda. Ele lembrou bandas como o Barão Vermelho, que se mantiveram na música, mesmo com alterações de sua formação original.

“Alteração na formação de bandas de rock, nacionais ou internacionais, é algo muito corriqueiro e, por óbvio, as bandas prosseguem com suas atividades e com os nomes pelos quais são conhecidas, sem que isso possa representar qualquer conduta enganosa em relação a seus fãs e ao público em geral”, declarou o guitarrista no processo.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Itapagé, CE
27°
Parcialmente nublado

Mín. 19° Máx. 27°

28° Sensação
3.04km/h Vento
63% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
05h42 Nascer do sol
05h37 Pôr do sol
Sáb 28° 19°
Dom 24° 20°
Seg 26° 19°
Ter 27° 19°
Qua 28° 20°
Atualizado às 16h03
Economia
Dólar
R$ 5,43 -0,45%
Euro
R$ 5,81 -0,45%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,13%
Bitcoin
R$ 368,323,44 -1,70%
Ibovespa
121,341,13 pts 0.74%
Lenium - Criar site de notícias