Jovem atacada com ácido lembra da sensação do contato do produto com a pele: 'Queimava demais'

O produto tóxico atingiu várias partes do corpo dela, mas não há sequelas visíveis.

11/06/2024 às 06h51
Por: Mário Almeida Fonte: Diário do Nordeste
Compartilhe:
Jovem atacada com ácido lembra da sensação do contato do produto com a pele: 'Queimava demais'

Isabelly Aparecida Ferreira Moro, 23 anos, que foi atacada com soda cáustica em uma rua de Jacarezinho, no Paraná, no último 22 de maio, e em entrevista contou sua perspectiva do momento do crime: "Só senti dor, porque [o líquido] atingiu meu olho. Queimava demais, parecia que estava pegando fogo".

A suspeita de atacar a vítima é Débora Custódio, 22 anos. Ela foi presa dois dias após a ocorrência, que ficou registrada em imagens captadas por câmeras de segurança.

Continua após a publicidade

"Só saí e pedi socorro. Cheguei ao hospital e, depois do hospital, não lembro de nada", continuou Isabelly. O produto tóxico atingiu várias partes do corpo dela, mas não há sequelas visíveis. Mesmo assim, a mulher segue em processo de recuperação, inclusive, se alimentando de comidas pastosas e geladas e tomando antibióticos.

Continua após a publicidade

"A boca foi o que mais atingiu. O cabelo também danificou, era mais longo. Parte dos seios também, bastante. Mas estou bem, graças a Deus. [...] Me recuperando aos poucos. Só de estar em casa já é um alívio", desabafou a vítima.

A entrevista foi concedida após ela receber alta hospitalar, no último sábado (8), após quase 20 dias internada.

Continua após a publicidade

 

VÍTIMA DISSE QUE VIU SUSPEITA SEGURAR UM 'COPO BORBULHANDO'

Isabelly afirmou ainda que chegou a ver a suspeita antes de ser atacada. Segundo ela, a pessoa usava peruca e roupas masculinas e segurava um "copo borbulhando". "Na hora, assustei e fui tentar atravessar a rua. Lembro que ela veio e jogou o produto em mim", relatou.

A vítima só soube de quem havia partido o ataque uma semana depois, quando assistiu a uma reportagem sobre o caso na televisão. "Quando acordei, não sabia o que estava acontecendo, não sabia quem era, o motivo, não sabia. Demorei para ficar sabendo porque eles [familiares] demoraram para me contar. Fui ficar sabendo depois de uma semana, porque vi na televisão. A gente não espera. É maldade, uma crueldade", afirmou.

Isabelly comentou ainda que não tinha contato nem com a suspeita e nem com seu ex-namorado — atual de Débora, que teria sido o mote do crime por ciúmes. "Eu nunca dirigi a palavra a ela, nunca fiquei encarando ela. Para mim, é uma pessoa que era invisível. [...] Então, eu não sei o que é provocar, porque, a partir do momento em que você não dirige a palavra à outra pessoa, que você não olha, não tem como se sentir provocada", continuou a vítima.

 

SUSPEITA CONFESSOU O CRIME

Dois dias após o crime, a Polícia Militar do Paraná prendeu a suspeita de ter atirado ácido em Isabelly.

À Polícia, Débora Custódio, atual namorada do ex de Isabelly, admitiu ter sido a responsável por jogar o produto químico na vítima e afirmou que cometeu o crime por ciúmes.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Itapagé, CE
27°
Parcialmente nublado

Mín. 19° Máx. 27°

28° Sensação
3.04km/h Vento
63% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
05h42 Nascer do sol
05h37 Pôr do sol
Sáb 28° 19°
Dom 24° 20°
Seg 26° 19°
Ter 27° 19°
Qua 28° 20°
Atualizado às 16h03
Economia
Dólar
R$ 5,43 -0,42%
Euro
R$ 5,81 -0,50%
Peso Argentino
R$ 0,01 0,00%
Bitcoin
R$ 369,444,91 -1,43%
Ibovespa
121,341,13 pts 0.74%
Lenium - Criar site de notícias